{% set baseFontFamily = "Lato" %} /* Add the font family you wish to use. You may need to import it above. */

{% set headerFontFamily = "Lato" %} /* This affects only headers on the site. Add the font family you wish to use. You may need to import it above. */

{% set textColor = "#565656" %} /* This sets the universal color of dark text on the site */

{% set pageCenter = "1100px" %} /* This sets the width of the website */

{% set headerType = "fixed" %} /* To make this a fixed header, change the value to "fixed" - otherwise, set it to "static" */

{% set lightGreyColor = "#f7f7f7" %} /* This affects all grey background sections */

{% set baseFontWeight = "normal" %} /* More than likely, you will use one of these values (higher = bolder): 300, 400, 700, 900 */

{% set headerFontWeight = "normal" %} /* For Headers; More than likely, you will use one of these values (higher = bolder): 300, 400, 700, 900 */

{% set buttonRadius = '10px' %} /* "0" for square edges, "10px" for rounded edges, "40px" for pill shape; This will change all buttons */

After you have updated your stylesheet, make sure you turn this module off

Parcerias Entre Bancos e Fintechs: Exemplos e Modelos

by InnReg

As estatísticas demonstram claramente o rápido crescimento das parcerias entre bancos e fintechs em serviços financeiros nos últimos anos.


Quantos bancos possuem parceria com fintechs?

Inicialmente, os bancos costumavam enxergar as fintechs como uma ameaça. No entanto, atualmente muitos deles têm descoberto que as parcerias entre bancos e fintechs podem realmente ajudá-los a crescer.

Para as fintechs, as parcerias com bancos representam uma oportunidade promissora de estabelecer cooperação mútua, ampliar sua presença geográfica e minimizar as obrigações de compliance.

De acordo com uma pesquisa da PWC realizada em 2019, 42% dos bancos já fizeram parcerias com fintechs. Esse número mais que duplicou e, hoje em dia, mais de 94% das empresas de serviços financeiros expressam confiança nas fintechs para ajudar a aumentar seus lucros nos próximos anos.

Esta análise foi escrita por especialistas no assunto com décadas de experiência. Não utilizamos redatores contratados, agências de SEO ou ferramentas de IA. Somos especialistas em compliance regulatória de fintechs.


O artigo "O Crescimento das Parcerias Entre Bancos e Fintechs, Exemplos e Modelos em Evolução" também está disponível em inglês aqui!


Por que bancos e fintechs devem firmar parcerias?

A indústria de fintechs trouxe grandes desafios para os bancos em termos de concorrência e mudanças de mercado, principalmente aos bancos regionais. Geralmente, as fintechs oferecem melhores serviços bancários online. Por outro lado, os bancos regionais têm experiência no relacionamento com clientes e conhecimentos de compliance que podem trazer vantagens na parceria com fintechs para criar soluções financeiras inovadoras.

A economia digital aumentou as expectativas dos clientes, e bancos de todos os tamanhos ao redor do mundo vêm reagindo e automatizando seus processos. Os bancos também estão mudando suas estratégias de aquisição e retenção de clientes, através de medidas que vão da expansão do sistema de agências à criação de serviços tecnicamente sofisticados, como aplicativos móveis.


Parcerias entre fintechs e bancos regionais

Nesse contexto, não surpreende que as agências reguladoras tenham começado a demonstrar mais interesse no papel que a inovação exerce no setor financeiro. Por isso, esses órgãos vêm considerando cuidadosamente os requisitos de compliance e auditoria legal nas parcerias entre bancos e fintechs.

Este interesse culminou no lançamento conjunto de novas regras pelo Federal Reserve System, a Federal Deposit Insurance Corporation e o Office of the Comptroller of the Currency (referidos conjuntamente como as “Agências”) em agosto de 2021, com o objetivo de ajudar os bancos regionais a realizar auditorias legais nas empresas de fintech.

Embora o Guia mencione especificamente os "bancos regionais"— definidos como aqueles que possuem US$ 10 bilhões ou menos em ativos consolidados sob supervisão de uma das Agências — as Agências ressaltam que os conceitos fundamentais do Guia podem ser aplicados a bancos de vários tamanhos.

O Guia também se aplica a outros tipos de relacionamentos com terceiros como uma fonte para as melhores práticas de auditoria legal e como uma prévia de possíveis áreas futuras que podem ser foco de regulamentação.

De modo geral, as diretrizes oferecem uma abordagem estruturada de auditoria legal para bancos regionais, principalmente orientações úteis para bancos que possuem pouca experiência prévia com fintechs. Além disso, o guia também pode ser útil para as empresas de fintech na preparação de negociações com possíveis parceiros bancários.


Os pontos mais importantes de auditoria legal para bancos regionais

A auditoria legal de bancos regionais deve focar nestas seis áreas:

  1. Experiência e qualificações empresariais. Histórico operacional, experiência, ações legais e regulatórias e planos estratégicos.
  2. Situação financeira. Análise financeira da capacidade de permanência da fintech como uma operação comercial viável e considerações de mercado.
  3. Segurança da informação. Estrutura de segurança da informação, incluindo controles de segurança de dados documentados e aplicados, resposta a incidentes, processos de notificação de violação e programas e design de sistemas de informação.
  4. Compliance legal e regulatório. Documentos organizacionais, licenças, registros, autorizações legais de atividades e produtos, políticas de compliance regulatório, canais de marketing e reclamações de consumidores.
  5. Resiliência operacional. Planejamento de continuidade de negócios, resiliência de negócios e resposta a incidentes e acordos de nível de serviço.
  6. Gestão e controle de riscos. Eficácia das políticas de risco, procedimentos, processos, treinamento, relatórios e capacidade geral de alinhamento com o potencial de risco do banco, leis e regulamentações adequadas.

Essas diretrizes refletem o reconhecimento de que as parcerias entre bancos e fintechs podem ser importantes e vantajosas em diversas áreas operacionais e tipos de produtos.

Quais são as áreas importantes e vantajosas para parcerias entre bancos e fintechs?

  • Pagamentos e depósitos digitais e por aplicativos móveis
  • Interface do usuário e tecnologia de experiência
  • Fornecimento de gestão financeira e de patrimônios
  • Aceleração dos processos de obtenção de créditos e empréstimos
  • Ferramentas de proteção de identidade e contra violações de dados.

Por sua vez, as empresas fintech podem se beneficiar consideravelmente das grandes bases de clientes pré-existentes, da presença no mercado e da reputação de bancos de todos os tamanhos.


Quais são os modelos de parcerias entre bancos e fintechs?

Com base na dimensão do relacionamento, as parcerias entre bancos e fintechs geralmente se enquadram em uma ou mais das seguintes categorias:

  1. Parceria de indicação
  2. Fintech como fornecedora
  3. Private-label / white-label
  4. Modelo híbrido

Vejamos o que cada modelo significa:

Modelo de parceria por indicação

O relacionamento menos direto consiste na parceria de indicação. Nesse modelo, os bancos indicam aos clientes uma fintech preferencial para complementar o fornecimento de recursos que não são oferecidos pelo banco.

Modelo de fintech como fornecedora

Em um relacionamento mais direto, a fintech atua como provedora de tecnologia para fornecer funcionalidades específicas, principalmente como fornecedora.

Private-label / white-label

De modo semelhante, o banco pode optar por oferecer os recursos da fintech sob uma “private-label” ou “white-label”. Essa classificação geralmente é usada quando o banco cria seus próprios produtos e serviços sob sua própria marca ou personaliza um produto fintech de modo que a marca da mesma permaneça invisível para os clientes do banco.

Modelo de parceria híbrido entre bancos e fintechs

Mais recentemente, os modelos “híbridos” também se tornaram comuns no setor, como investimentos ou aquisições diretas, terceirização de serviços ou permitir que a fintech trabalhe com o banco para oferecer serviços como empréstimos e emissão de contas.

Em cada caso, estas parcerias criam responsabilidades mútuas para as operações contínuas, incluindo as de compliance. É importante que ambos os parceiros realizem a devida auditoria legal para garantir a adequação correta e a capacidade de entrega dos serviços.

Os-melhores-modelos-de-parcerias-entre-bancos-e-fintechs


Exemplos de parcerias entre bancos e fintechs

Confira estes sete exemplos importantes e mais recentes de parcerias entre bancos e fintechs (em 2023):

  1. Tradeshift & HSBC
  2. Stripe & Goldman Sachs
  3. Revolut & Cross River Bank
  4. N26 & Wise
  5. Citi & IntraFi
  6. DoorDash & Stride Bank
  7. Rize Money & MX Technologies

Vamos analisar essas parcerias de destaque entre bancos e fintechs que exemplificam as grandes vantagens que podem resultar deste tipo de colaboração.

Tradeshift & HSBC

A Tradeshift, conhecida como uma das maiores plataformas de comércio empresarial do mundo, uniu forças com o HSBC para desenvolver uma plataforma digital simplificada. A plataforma permite que as empresas gerenciem suas cadeias de fornecimento globais e suas necessidades de capital de giro em qualquer dispositivo. Esta parceria de sucesso não só gera grandes lucros para ambas as partes, mas também simplifica processos de comércio internacional.

Stripe & Goldman Sachs

Stripe é uma fintech americana popular que facilita pagamentos para empresas através de parcerias com vários bancos grandes. Por exemplo, sua API de serviço bancário (a Stripe Treasury) funciona por parcerias com a Goldman Sachs e o Evolve Bank & Trust.

Revolut & Cross River Bank

Em abril de 2022, o Cross River Bank firmou uma parceria com o neobanco britânico-lituano Revolut para oferecer maior acessibilidade de crédito aos clientes do Revolut nos EUA. A parceria abrirá a primeira linha de empréstimos pessoais para clientes Revolut residentes nos EUA, graças à infraestrutura tecnológica da Cross River.

N26 & Wise

O N26 é um neobanco alemão com sede em Berlim que firmou parceria com a Wise, líder global em tecnologia de pagamentos internacionais, para oferecer transferências internacionais de valores em mais de 30 moedas.

Esta parceria importante baseia-se numa visão conjunta de inovar os padrões atuais do setor  financeiro, tornando as transferências internacionais de dinheiro mais fáceis e transparentes.

Citi & IntraFi

Em 2022, a Citi lançou nos EUA uma nova solução de contas temporárias para aplicações em investimentos através da parceria com a IntraFi, conhecida como IntraFi Yankee Sweep. Este produto permite que clientes institucionais com contas nos EUA transfiram dinheiro para contas de depósito à vista em agências participantes de bancos estrangeiros nos EUA.

DoorDash & Stride Bank

A empresa de delivery de restaurantes DoorDash estava em busca de uma forma de ajudar seus entregadores a compensar o aumento nos preços da gasolina sem repassá-lo aos consumidores. Em 2022, a DoorDash lançou um cartão de débito Visa empresarial pré-pago em parceria com o Stride Bank que concede 10% de cashback em combustível para todos os entregadores dos EUA, sendo esse valor reajustado para 2% após o término do período introdutório.

Rize Money & MX Technologies

Rize Money, um provedor de infraestrutura para pagamentos que agora integra o Fifth Third Bancorp, já firmou parceria com a MX, uma plataforma de dados financeiros. O objetivo é permitir que empresas fintech desenvolvam novos produtos e serviços financeiros utilizando uma única API combinada. Os usuários do Rize Money podiam conectar suas contas bancárias de mais de 16.000 instituições financeiras e empresas fintech com segurança através da rede confiável de conectividade de dados da MX.


Quais fatores levam ao aumento das colaborações entre bancos e fintechs?

Cinco fatores vêm impulsionando mudanças na indústria e aumentando ainda mais a necessidade de parcerias entre bancos e fintechs:

  1. Uso de aplicativos móveis
  2. Trabalho remoto
  3. Evolução dos bancos regionais
  4. Colaboração no setor
  5. Modernização regulatória

A seguir, vamos avaliar detalhadamente cada fator de colaboração entre bancos e fintechs.

Uso de aplicativos móveis

Nos últimos anos, a rápida difusão de tecnologias de consumo, como smartphones e smartwatches, criou um amplo leque de necessidades diferentes para os clientes. À medida que a taxa de utilização destes dispositivos cresce, aumenta também a necessidade de acesso individual imediato aos serviços financeiros.
Como resultado, os bancos e as cooperativas de crédito devem buscar as fintechs como um meio de fornecer mais serviços, assim como a indústria fez no passado.

Trabalho remoto

Durante a pandemia de COVID-19, uma transformação digital radical ocorreu em todos os setores à medida que a mudança para o trabalho remoto criou mais oportunidades de desenvolver novos produtos. Esta mudança repentina revelou desafios e pontos problemáticos que provavelmente não teriam sido avaliados e resolvidos se não fosse a pandemia.

De fato, 88% das empresas de médio porte, incluindo bancos, implementaram novas tecnologias no último ano.

Evolução dos bancos regionais

Numa época em que os quatro maiores bancos dos EUA controlavam 36% do setor (2018), a digitalização permitiu que os bancos regionais continuassem sendo independentes.
Por exemplo, a tecnologia pode melhorar a tomada de decisões ao reduzir o tempo necessário para aprovar um empréstimo, ao mesmo tempo em que ajuda a reduzir riscos. A tecnologia pode ajudar os bancos regionais a processar mais empréstimos, aumentando os lucros e reduzindo simultaneamente o tempo e o custo do processamento da documentação.

Colaboração no setor

Até onde vai essa tendência de colaboração? A PwC prevê que 82% dos provedores de serviços financeiros atuais aumentarão o número de parcerias nos próximos cinco anos.
A concorrência entre bancos e novos participantes pode dar lugar à colaboração direta em todo o ecossistema fintech, o que permite que ambas as partes consigam lucrar. As oportunidades potenciais abrangem desde o design e desenvolvimento de produtos por startups até capacidades de distribuição e infraestrutura pelos bancos.

Modernização regulatória

Com este panorama, é possível prever que nos próximos anos o governo americano continuará a aprimorar sua abordagem regulatória, e o OCC já está tomando medidas relacionadas às fintechs. Em uma declaração feita na Quinta Conferência Anual de Fintechs, no Federal Reserve Bank of Philadelphia em novembro de 2021, o controlador financeiro interino Michael J. Hsu analisou a modernização do perímetro regulatório financeiro.

Segundo Hsu: “A modernização do perímetro regulatório bancário não pode ser alcançada apenas através da definição de atividades que constituem a 'prestação de serviços bancários', mas provavelmente também vai exigir a determinação do que é aceitável numa relação entre banco e fintech.” Visto que os órgãos reguladores vêm se preocupando cada vez mais com as parcerias bancárias com fintechs, é provável que os EUA sigam as tendências já existentes em outras partes do mundo.


Conclusão: Como manter-se à frente da evolução nas normas que impactam o futuro dos modelos de parcerias entre bancos e fintechs

Com a evolução contínua do panorama da tecnologia financeira, é fundamental que os bancos tenham acesso às fintechs e compreendam seu funcionamento para satisfazer as necessidades dos seus clientes de forma eficaz. Com uma gestão de risco adequada e salvaguardas de compliance, as parcerias entre bancos e fintechs apresentam uma oportunidade importante para os bancos regionais fortalecerem as operações existentes, principalmente quando a parceria atende aos objetivos estratégicos específicos de ambas as partes.

Certamente as parcerias entre bancos e fintechs continuarão a impulsionar a inovação nos próximos anos, à medida que ambas as partes se esforçam para crescer e atrair sua base de clientes para gerar mais lucros.

Neste espaço de rápida evolução, onde a orientação de especialistas da indústria e em regulamentação continua a informar e delinear o modelo de negócios, a InnReg está bem posicionada para oferecer suporte. Se você tem dúvidas sobre seus requisitos de compliance e preparação enquanto a regulamentação ainda está em desenvolvimento, estamos disponíveis para ajudar com orientações práticas sobre compliance e considerações de risco relacionadas às parcerias entre bancos e fintechs. Como provedora terceirizada de compliance, nossa empresa pode ajudar você nos seguintes aspectos:

  1. KYC (conheça seu cliente), AML (combate à lavagem de dinheiro) e auditoria legal do cliente.
  2. Relatório de atividades suspeitas
  3. Prevenção de fraudes
  4. Programas de alertas
  5. Segurança da informação e proteção de dados
  6. Compliance de marketing e propaganda
  7. Compliance de governança e avaliação de riscos
  8. Compliance e treinamento de funcionários

Topics: Lending Compliance, LatAm Fintech


Quer saber mais sobre compliance em concessões e outros tópicos relacionados a estratégias de fintechs? Confira as opiniões dos nossos especialistas:

Stay on Top of Changing Fintech Compliance & Innovation Strategies